6 de nov de 2010

Lâmpada de Leds

Pessoal,


Tenho procurado na internet soluções em LED para lampadas em geral. Meu principal objetivo é diminuir o consumo da moto e deixa-la com um efeito de luz bonito. O Consumo de uma lâmpada de pisca meu, por exemplo é de 16w, contra 1w dos LEDS. A de freio/lanterna é de 16w, contra 2w de LEDS.



Essa semana fiz a troca das lampadas das setas por LEDS e encomendei também um relê eletrônico, para que as setas continuem a piscar com a mesma frequência.





Além das setas, pretendo modificar a lanterna traseira (2 polos). Já encontrei os modelos que quero e devo adquirir essa semana. Esse modelo é melhor do que o de cima, pois ilumina os lados, dando uma amplitude maior de iluminação.

Hoje achei no Mercado Livre lâmpadas H4 de farol em Leds.

Achei fantástica, pois promete temperatura de cor de 6000k. Minha pergunta é: Ilumina mais / igual / ou menos que uma lâmpada Halógena????



Não tenho ninguém que utilize essas novas lâmpadas e por isso queria compartilhar com vcs a dúvida! Abraços!

Pessoal,

Esse sistema é bem simples. São leds com restritores de correntes que ficam ligados nos sitema elétrico da moto. Possui intervalos de voltagem que vão de 10,5v até 13,5v. Somente 1 led acende por vez ou quando a faixa está mudando de x para y, x e y acendem juntos até que a faixa se subsequente se fixe.


Quando a moto é ligada na chave, sem virar o motor ele dá o intervalo que a bateria se encontra. Quando a moto é ligada ele indica a faixa de voltagem que a moto está dando o status de carregamento da moto.



Na maioria da motos, em 2000 rpm a moto tem que gerar entre 13 e 14v. Ele indicará no led de 13,5v se a bateria está está com 13,5v ou mais.

Caso o retificador esteja mandando mais carga do que deve para o sistema da moto, acenderá um led vermelho de cor vermelha, quando essa corrente chegar em 15v.

Resumindo as funções do voltímetro:
- Verifica a carga da bateria;
- Verifica se o sistema de carregamento (estator + regulador) está funcionando;
- Verifica que o sistema está recebendo mais carga do que deveria;

Ele não indica se o problema é no regulador ou no estator. Só verifica o sistema de carregamento da bateria. Para definição de qual o problema, deve-se fazer testes mais pontuais em cada peça. O importante é saber se o sitema de carregamento está OK.

Ele tem um tamanho bem pequeno:



Procurei esse medidor pois tive uma situação chata na Mirage que me deixou na mão de bobeira - se tivesse o voltimetro ou se a injeção tivesse um sensor de carga da bateria teria identificado o problema antes de enguiçar.

Meu retificador soltou da fixação da moto e caiu entre o quadro e a corrente de transmissão. Conforme o uso da moto, o dissipador e o circuito do retificador foram afetados mas eu não sabia, pois o mesmo fica em uma das laterais da moto. Ouvia um barulho mas não sabia onde era. Só fui saber quando fiquei sem bateria na rua. A injeção da Mirage tem 12 sensores que indicam n situações, mas não tem um indicador de carregamento nem de nível critico da bateria. Numa moto que depende 100% da bateria pra funcionar deveria ter um sensor mais apurado.

Andei pesquisando as motos com injeção em geral e vi que nenhuma delas possui esses 2 sensores.... O problema é geral!

O Anúncio é esse:
http://produto.mercadolivre.com.br/MLB-152723277-voltimetro-medidor-d-bateria-veicular-deltrnica-vb10-10-led-_JM



Lembrando que o anúncio não é meu! hahaha Não tem Jabá!

Abraços!

23 de mar de 2010

Intrudeiro no BB10

Pessoal,


Depois da eliminação emocionante de hoje no BBB10, com a saída da Maroca, fui atrás de algumas informações de alguns brothers. Descobri então que Marcelo Dourado, favorito ao primeiro lugar no programa, possui uma Intruder 125cc! Isso mesmo! Mais um intrudeiro pro noss grupo!



Seguem as fotos da motoca do Dourado!





Dourado! 

Fique a vontade no Intrudeiros! 


Na torcida pelo Prêmio de 1,5 mi! Dá uma força ai no blog! rs



Abraços e boas estradas!


Pessoal,

É com muita tristeza que comunico a vocês que vendi minha Intruder. Depois de 3 anos e muita alegria estava na hora de ela partir. Ela que sempre me deu muitas alegrias, sempre comigo em todos os momentos, sem me deixar nunca na mão vai embora com o gostinho de "um dia eu volto". Tudo aconteceu depois de buscar opções para poder migrar para um modelo de 250cc.

Fiquei procurando e achei boas opções de compra. Mas na minha opinião a melhor de todas foi a Kasinski Mirage 250cc EFI. Estou definitivamente louco por ela. Por isso resolvi vender a Intruder. Isso ocorreu há 15 dias. Vendi a moto para um amigo meu que está entrando no mundo de 2 rodas e acredito que ele esteja muito feliz com sua aquisição.

Estou agora andando em uma Burgman 125cc que um grande amigo me emprestou para que espere o resultado do consórcio que eu entrei. Espero ser contemplado já no mês que vem.

Apesar da troca de moto, o Intrudeiros ainda será atualizado com o que tiver de interessante para postar. Tenho ainda muitos amigos que possui essa maravilhosa moto e que com certeza contribuirão para a continuidade dessa grande comunidade

Estou iniciando um novo projeto paralelo de blog. Será o Mirageiros, no mesmo molde do intrudeiros.

Abraços para todos!

27 de fev de 2010

Moto de Ouro

RIO - Andar na garupa de uma moto não é apenas aboletar-se atrás do piloto e curtir a paisagem. É claro que o passageiro poderá relaxar mais que o condutor, já que sobre ele recaem menos responsabilidades. Mas quem vai ali atrás também tem que ter um mínimo de atenção, pois seu comportamento contará na segurança de ambos. Para isso, existem alguma regrinhas básicas - e outras nem tanto - que podem ajudar muito no relacionamento piloto/garupa e na segurança sobre a moto.

Para começar, a indumentária. Assim como o piloto, o garupa deve usar roupas adequadas, como calça e casaco jeans ou de couro, capacete decente e, se possível, luvas. E evitar bolsas grandes e penduricalhos, como longos cachecóis.

Botas ou calçados fechados são fundamentais, mas às vezes dá trabalho convencer as mulheres de sua importância - não se renda: ou é assim ou ela vai de ônibus. Nas quedas, mãos e pés sempre se machucam. Questão de segurança.

Agora, o "embarque". O garupa deve subir na moto como se estivesse montando um cavalo: apóia um dos pés sobre uma das pedaleiras, passa a perna sobre o banco, apóia o outro pé sobre a pedeleira do lado de lá e ajeita-se até encontrar uma posição inicialmente confortável.

Para este mesmo momento é bom alertar que nunca se deve subir na moto sem avisar o piloto, ainda mais sobre pisos escorregadios ou irregulares. O ideal é avisar: "subindo pela direita", por exemplo.

Caso a moto não tenha sissy-bar (o nome chique para o encosto de garupa), o ideal é que ele mantenha o corpo ereto ou, no máximo, incline-se levemente para a frente (nunca para trás). Pode segurar nas alças traseiras, presentes em toda moto inteira. Ou no piloto, mas prestando atenção para não enforcá-lo e não apoiar seu peso sobre ele - o que atrapalhará a pilotagem. Nas freadas e arrancadas, deve segurar-se nas alças (e não no condutor) ou compensar o desequilíbrio momentâneo com leves inclinações do corpo.

Nas motos com o tal sissy-bar, basta ao garupa encostar-se ali e manter os braços cruzados ou apoiados sobre os joelhos - os dele, não do piloto.

Cuidados nas curvas

Nas curvas, o garupa não deve ficar achando que vai cair a todo instante e com isso, instintivamente, inclinar-se para o lado contrário. Isso desequilibra a moto e atrapalha o piloto, que poderá resolver deixá-lo no próximo ponto de ônibus. O ideal é que fique relaxado sobre o banco - garupas "duros" que nem uma pilha de tijolos tendem a fazer a moto rebolar nas curvas.

Recomenda-se ao garupa, também, que evite bater papo com o piloto durante o percurso. Isso devia a atenção do piloto e pode levar ambos a aprender a voar em uma lição rápida. Se for extremamente necessário falar com o piloto, espere por uma parada em um sinal, por exemplo.

Se for na estrada, cutuque-o mansamente e espere o momento em que ele poderá lhe dar atenção. Para completar, o garupa deve evitar ao máximo fazer movimentos bruscos - e quanto menor a moto, mais esses movimentos a desestabilizam. Em altas velocidades, se possível, deve ficar mais próximo do piloto. Isso centraliza o peso sobre o banco e reduz as turbulências causadas pelo vento.

Viagens noturnas

Nas viagens noturnas muitos garupas, tomados pelo tédio, tendem a dormir. Nesse caso é bom dar uma parada e tomar um café forte para se manter acordado. Outra boa dica é dar ao garupa algo para mastigar: dificilmente alguém adormece mascando um chiclete, por exemplo.

Em viagens aliás, é bom que o garupa evite, também, ficar olhando para o velocímetro, por cima do ombro do piloto - e, mais ainda, reclamar da velocidade através de cutucões, joelhadas laterais etc. Às vezes é difícil, mas ajuda.

Chegou a hora de parar? Ótimo, mas o garupa só desce da moto depois de avisar ao piloto (mesmo procedimento de "embarque"). E enquanto o piloto estiver manobrando a moto, o passageiro jamais deve tirar os pés das pedaleiras. Por fim, cabe ao garupa carregar os capacetes e oferecer um café ao heróico piloto que lhe levou para passear...


Fonte:

http://oglobo.globo.com/economia/carroetc/mat/2009/06/19/andar-na-garupa-de-uma-moto-tambem-requer-atencao-756423018.asp

Pessoal,

Enumerei as principais chaves para que possamos fazer uma manutenção sem contratempos na Intruder.



Lá vão elas:

07mm
- Tampa do Pinhão;

08mm
- Tampas laterais do motor;
- Tampa do cárter;
- Tampa do conta giros;
- Tampa do motor de arranque;
- Fixador do comando de guidon direito;

10mm
- Regulador da embreagem;
- Parafusos de aperto do motor;
- Fixador do carburador no motor;
- Tampa do filtro de óleo;
- Fixador do regulador;
- Fixador dos pólos do rele de partida;
- Fixador do tanque;
- Aperto do borne da bateria;
- Aperto do suporte da bateria;

12mm
- Ajustes do freio dianteiro;
- Regulador parafuso do ajuste da corrente;
- Parafuso fixador do mata cachorro;
- Fixador do pisca e do bagageiro;
- Regulagem da inclinação do farol;
- Fixador do guidon na mesa;

13mm
- Fixador do banco;
- Porca do tensor do ajuste da corrente;

14mm
- Aperto da mesa superior;
- Ajuste do freio traseiro;

17mm
- Ajuste do pedal do piloto;
- Ajuste do amortecedor;
- Ajuste da cinta do banco;
- Ajuste do eixo de roda dianteiro;
- Aperto do parafuso do eixo de roda traseiro;
- Bujão do Cárter;
- Aperto do descanso lateral;

19mm
- Ajustes na balança;
- Ajustes na porca do eixo traseiro;,

22mm
- Aperto da caixa de direção;

Philips;
- Limpeza carburador;
- Remoção do filtro de ar;
- Abertura do globo do farol;
- Abertura do comando de seta;
- Abertura do marcador de marcha;
- Abertura da lanterna traseira;

Lembrando que além disso é necessário um bom alicate de pressão e um alicate normal.


Abraços

Pessoal,



Ultimamente tenho feito algumas coisas para dar mais acessórios para a Motinha.

Um dia estava em um encontro e vi uma moto com uma caixinha cheia de botões, que ligavam várias coisas na moto. Resolvi tentar fazer alguma coisa. E consegui!


Vou deixar vocês com um pouco de água na boca!
utilizei interruptores e uma caixa patola. Essas caixas são bem personalizáveis e pode-se fazer boas customizações.

Nessa caixinha coloquei: um pisca alerta, um strobbo led, um led traseiro.

Olha o resultado final:


Posteriormente colocarei o modo de fazer!

Abraços e boas estradas!


Pessoal,





Segue abaixo o link para busca de postos Br na sua localidade.



Aproveite e verifique também quais pertencem ao programa de olho no combustível!





Abraços

As recentes operações da Prefeitura do Rio para reprimir o estacionamento irregular de motos nas calçadas vêm criando polêmica no Centro. Os motoqueiros reclamam que não há vagas suficientes de estacionamento e, por isso, são obrigados a pararem em locais proibidos. Assim, viram alvo da Secretaria Especial de Ordem Pública (Seop).


- Já tive a moto rebocada uma vez, mas paro na calçada porque não há vagas. Preciso trabalhar. Aqui, sempre fica alguém olhando as motos para nos avisar quando a prefeitura chega para multar ou rebocar os veículos - disse o motoboy Ricardo Domiciano, de 31 anos, que estava com a moto parada na calçada na Rua Sete de Setembro.


- O ideal seria que as motos pudessem estacionar nas vagas do Rio Rotativo - sugeriu o motoboy Carlos Oliveira, de 31 anos.


Sem consenso

Segundo a prefeitura, é permitido aos motociclistas a utilização das vagas do Rio Rotativo. Entretanto, falta consenso dentro do próprio governo municipal se os motoqueiros devem comprar o tíquete do Rio Rotativo.


Em nota, a Secretaria municipal de Transportes informou que "o decreto número 30485, de 27 de fevereiro de 2009, estabelece a transformação de vagas de automóveis (Rio Rotativo) em 2 mil vagas para motos no Centro. O mesmo decreto estabelece que as vagas não serão cobradas". A recomendação é que o motociclista estacione em áreas do Rio Rotativo ou em estacionamentos particulares.


Já a Secretaria da Ordem Pública, que coordena as operações choque de ordem, explicou que o motociclista que parar em vagas do Rio Rotativo fora do Centro precisa comprar o tíquete.


A multa por estacionamento em local proibido é de R$ 85,13 e o motorista perde quatro pontos na carteira.


http://extra.globo.com/rio/materias/2009/03/13/cobranca-de-estacionamento-para-motos-divide-prefeitura-do-rio-754837151.asp



Isso me lembra coisas do passado...



Pessoal,



Um amigo meu fez umas cotações de seguro de algumas motos.

Ele mora em Niterói, tem garagem em casa, 4 anos de carteira, 26 anos.


Confiram!


Pessoal,


Confiram a tabela dos prazos de pagamento para o IPVA 2010!




Pra refletir:


01 - Pelo espírito de liberdade;
02 - Pelo vento na cara;
03 - Por sentir a garupa agarradinha na sua cintura;
04 - Por ter uma 125 e se sentir um Valentino Rossi numa 500;
05 - Por ter uma custom e ser o próprio Peter Fonda em Easy Rider;
06 - Por fazer novos amigos, que falam a sua língua;
07 - Por poder viajar em grupos;
08 - Por ficar encharcado e feliz;
09 - Por ter a sua pista livre em cima da faixa, quando o trânsito está totalmente congestionado;
10 - Por poder andar sujo, no melhor estilo aventureiro;
11 - Por poder usar a sua fantasia de mau, com caveiras e crucifixos;
12 - Para ir ao Mundial de Motos torcer pelo Alexandre Barros;
13 - Para poder juntar um dinheirinho e comprar uma moto maior;
14 - Por já ter dinheiro e status e finalmente voltar a andar de moto, como na juventude;
15 - Para ouvir o ronco do motor;
16 - Para matar de inveja o seu vizinho careta;
17 - Para conquistar as menininhas;
18 - Para trabalhar, porque a moto é o seu ganha-pão;
19 - Para se sentir poderoso dentro do seu macacão de couro;
20 - Para ter a sensação de voar, como um pássaro do asfalto;
21 - Para ser o pole position nos faróis das grandes avenidas;
22 - Porque a primeira trilha a gente nunca esquece;
23 - Para passar nos pedágios sem pagar;
24 - Para ter um estacionamento exclusivo no shopping center;
25 - Para dar umas escorregadas, porque um tombinho não dói;
26 - Para fazer uma curva e sentir o joelho quase ralando no chão;
27 - Para encher o seu capacete de adesivos bacanas;
28 - Para ir aos encontros de motos falar sobre motos;
29 - Para tentar dar um cavalo de pau com a roda da frente, como Tom Cruise em Missão Impossível 2;
30 - Para cruzar do Paquistão à Índia, como fez Rafael Karan, o aventureiro;
31 - Para comprar um monte de acessórios e deixar sua moto personalizada;
32 - Para poder carrega-la na caçamba da sua picape até a entrada da trilha;
33 - Para servir de moto-táxi no Nordeste e faturar uma graninha a mais;
34 - Para vir a ser um grande piloto de motovelocidade;
35 - Para poder abrir sua própria oficina de motos;
36 - Para um dia participar do Racing Day, em Interlagos;
37 - Porque todos os caminhos levam a Daytona, o grande encontro mundial de motos;
38 - Para se perder numa trilha no meio da noite;
39 - Para rasgar sua calça no mourão da cerca;
40 - Para deixá-la parada na garagem de casa e apenas ficar admirando-a;
41 - Para sentir o cheiro de óleo queimado da sua velha e inesquecível 2T;
42 - Porque entre sua namorada e a moto, você fica com a moto;
43 - Porque a moto só tem dois lugares: não cabem a sogra e o papagaio;
44 - Porque ela gasta muito menos combustível que seu carrão;
45 - Porque ela leva você pelos caminhos da emoção;
46 - Porque no peito de todo motociclista, bate um coração aventureiro;
47 - Porque você consegue extravasar por trás de sua viseira, mesmo que as lágrimas embacem o seu caminho;
48 - Porque um dia você sonhou que chegaria lá;
49 - Porque você ama estar vivo;
50 - Porque você isso, meu amigo, um amante da liberdade . . . motociclista.

(publicado na edição 50 da revista Motociclismo Magazine)

Pessoal,



Segue os telefones das concessionárias de rodovias e auto-estradas do Rio de Janeiro:

Auto-Pista Fluminense: 0800-282-0101
LAMSA: 0800-242-355
Linha Vermelha: 2233-7569
Nova Dutra: 0800-173-536
Ponte SA: 2620-9933
Túneis do Rio + Av. Zic Zira: 0800-282-8664
Rio Petrópolis: 0800-282-0040
Rio Teresópolis: 21-3654-0001
Via Lagos: 0800-702-0124
Rio Bahia: 0800-285-3393
Rota 116: 0800-282-0116


Abraços e boas estradas!


Pessoal,

Desculpem o grande hiato entre os nossos posts. Infelizmente o Intrudeiros é feito basicamente por experiências próprias e quando elas não existem o blog fica sem muitas novidades. Prometo recomeçar a postar no blog com mais frequência.

Bem,

Vamos lá: Hoje vamos falar um pouco de instalações elétricas utilizando Relê ou Relé.

Um relé é um estabilizador de corrente com um acionador magnético. Toda vez que passa corrente pelas bobinas do relê, um campo eletromagnético é gerado, acionando o relé e possibilitando o funcionamento do circuito.

Para as motos e carros, pode-se precisar de um relé para a instalação de farois, buzinas, amplificadores, aparelhos de som, ventoinhas, bombas de água... Inúmeras funcionalidades.

Recentemente quis instalar uma buzina diferente na minha moto e acabei tendo que aprender na marra como fazer a ligação.

Para quem não conhece, um relé automotivo tem essa cara:



Existem basicamente 4 pólos para se conectar o relé: 30, 85, 86, 87.


Para a instalação de uma buzina em uma moto, por exemplo, precisaremos de basicamente dos seguintes itens:

- 5 metros de fio 0,5mm2
- um Relé de 15 ampéres;
- um botão acionador;
- um soquete de fusível;
- um fusível de 15 ampéres automotivo;
- ferro de solda;
- fio de solda;
- espaguete termo retrátil;
- fita isolante;
- 2 pólos para fio;

Segue o modelo para ligação:



30 - ligar direto em um fio positivo na bateria;
85 - Ligar no interruptor acionador;
86 - ligar direto no 30 do relê;
87 - ligar no positivo da buzina


Espero ter ajudado a todos!


Abraços e boas estradas!


24 de nov de 2009

ROCAM